Viva. As Cidades

Passo a passo do Paço

Um pouco da história de um dos edifícios mais importantes de Curitiba

Localizado na Praça Generoso Marques, o Paço da Liberdade – também conhecido como Paço Municipal – talvez seja a obra que mais atrai olhares e cliques fotográficos de quem passa pelo centro da cidade.
Sua construção “solta” na praça o valoriza ainda mais: ele e a Catedral de Curitiba reinam imponentes no espaço que disputam com as demais construções típicas dos centros das grandes capitais – incluída aí, infelizmente, a poluição visual das propagandas de lojas, a quem eles por sorte ficam alheios!

Foto: Rafael Belli Soares

O Paço começou a ser construído na época do governo de Cândido de Abreu, em 1914, no local onde então funcionava o Mercado Municipal; durante a obra, as paredes do mercado serviram de muro, servindo como “tapumes”. O projeto veio para abrigar a até então ainda inexistente sede da Prefeitura de Curitiba.
Para a obra, Cândido de Abreu contou com a ajuda do escultor Roberto Lacombi. Vale lembrar que o prefeito Cândido era também engenheiro – já falei de outro projeto dele, o Palacete Ascânio Miró, o que me faz pensar que ele deveria ser arquiteto e deixar o status dessas construções para a nossa classe!

Paço da Liberdade em construção com as paredes externas do antigo Mercado Municipal. (Foto: http://www.cmc.pr.gov.br/ – Prefeitura de Curitiba)

Em fevereiro de 1916 a obra foi inaugurada e por mais de 50 anos abrigou a prefeitura da cidade. Durante o período de 1970 a dezembro de 1973, o prédio passou por uma restauração, porém, não teve nenhum uso; até que, no início de 1974, passou a ser a sede do Museu Paranaense (já falei dele aqui no blog também). O museu ficou instalado no local até 2002, após esta data, vieram mais cinco inúteis anos seguidos – novamente o Paço ficou parado, sem uso algum. Finalmente em 2007 o poder público, junto com Sistema Fecomérico/SESC, tomou as rédias e restaurou toda a construção, tornando-a em 2009 o que é o atual Centro Cultural, administrado pelo próprio SESC. Foi nessa obra de restauro que encontrou-se pisos do antigo Mercado Municipal, os quais podemos ver por baixo de partes de pisos de vidro da obra atual, criada justamente para isso.

Foto esquerda: Fachada frontal – R. Riachuelo / Foto direita: Fachada posterior – Praça José Borges de Macedo (Fotos: Rafael Belli Soares)

A arquitetura do Paço abrange uma área de aproximadamente 500m² e tem estilo eclético com elementos de art nouveau. Até hoje é possível ver pedaços das pinturas originais que foram mantidos propositalmente como testemunhos históricos. Outras relíquias são as imponentes portas de madeira e as escadarias de Peroba Rosa que passam pelos quatro pavimentos, que são exatamente as mesmas do século passado. Já no terceiro andar vem outra agradável surpresa, a Sala de Atos: pinturas no teto intercalando com madeiras bem trabalhadas, um espetáculo! Uma outra curiosidade é a presença do primeiro elevador de Curitiba: sim, está lá, mas não é possível utilizá-lo (essa informação é bem útil, principalmente naqueles vários momentos em que as pessoas perguntam: quem sabe onde está o primeiro elevador de Curitiba?).

Foto esquerda: Detalhes da fachada frontal / Foto direita: Escadaria original de Peroba Rosa (Fotos: Rafael Belli Soares)

Sala de Atos (Foto: Rafael Belli Soares)

Voltando à importância da obra na história cultural/arquitetônica da capital paranaense, é ela que possui, digamos, a tríplice coroa dos tombamentos. É um patrimônio municipal, é tombado pela Secretaria de Estado da Cultura e pelo Patrimônio Histórico Nacional (Iphan) – sendo o único da cidade com tantos “títulos”!

Hoje em dia a entrada no SESC Paço da Liberdade é gratuita e nele é possível encontrar atividades culturais de todas as áreas – artes plásticas, cinema, literatura, música… Além disso, os passantes podem simplesmente desfrutar de um ótimo café em um ambiente super aconchegante! Para saber toda a programação, basta clicar aqui.

Café do Paço – Fotos tiradas na manhã de um feriadão prestes a chover, por isto estava vazio. (Fotos: Rafael Belli Soares)

Você pode também gostar

Deixe seu comentário

© 2019 VivacidadesDesenvolvido com por